Reportagem

Reportagem da RevistadeArte-Logopress na exposição “Pessoa. Todo arte es una forma de literatura” no Museu Reina Sofía, mais de 160 obras de pintura, desenho e fotografia de 20 artistas como José de Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana, Sarah Affonso, Júlio ou Sónia e Robert Delaunay, para citar alguns, assim como abundante documentação original (manifestos, livros e revistas, correspondência, etc.), procedente de diversas colecciones privadas e instituições como Fundação Calouste Gulbenkian (56 obras), Biblioteca Nacional de Portugal ou Centre Georges Pompidou. “La muestra narra con este amplio conjunto, cómo Pessoa y los artistas visuales coterráneos de aquella época, al contrario de lo que ocurrió en otros contextos periféricos, nunca fueron miméticos seguidores de las innovaciones surgidas en los centros neurálgicos como París, capital de los nuevos lenguajes artísticos desde el siglo XIX”.

Fernando Pessoa e a arte dos seus contemporâneos, em Madrid

O Museu Reina Sofia pegou em Fernando Pessoa para fazer uma mostra da vanguarda portuguesa sua contemporânea, nomeadamente a partir do conhecido retrato que dele pintou Almada Negreiros (versão 1964). A exposição foi inaugurada na semana passada.

Toda a Arte É Uma Forma de Literatura é comissariada por Ana Ara e João Fernandes.

 

Assírio traz novas edições de Almada

Almada Negreiros

A Assírio e Alvim lança por estes dias novas edições de Poemas e Ficções de Almada Negreiros.

Ficções, em segunda edição, é muito aumentado em relação à primeira, inclui textos dispersos entretanto localizados, mais quatro inéditos, anuncia a editora. “Ficam assim reunidas todas as ficções almadianas conhecidas até à data, para além do romance Nome de Guerra já reeditado em versão revista pelo manuscrito original”.
No Poemas de Almada Negreiros, refere também a Assírio, “incluem-se alguns dos mais radicais das vanguardas do século XX”. Este volume reúne o conjunto completo da poesia de Almada Negreiros. Nesta segunda edição, aumentada, e revista pelos manuscritos originais, inclui-se três caligramas e um poema-carta, e ainda doze poemas inéditos.

Um excerto de Poemas pode ser lido aqui.
Primeiras páginas de Ficções a ler aqui.