Prémio Livro do Ano da Bertrand


A Livraria Bertrand começou, no ano passado, o prémio literário que é atribuído por leitores e livreiros. O Prémio Livro do Ano Bertrand “irá distinguir a obra em prosa, seja romance, conto ou novela”, destacado em cada uma das categorias “Melhor livro de ficção lusófona”, “Melhor livro de ficção de autores estrangeiros” e “Melhor reedição de obras essenciais da literatura lusófona ou universal”. A lista dos quinze livros finalistas, cinco de cada categoria, podem ser votados pelos leitores aqui (neste link). No mês que vem, será divulgado o vencedor de cada categoria, aos quais será reservado um lugar de destaque nas livrarias Bertrand, em especial ao longo de todo o ano de 2018. O vencedor da 1.ª edição foi História da Menina Perdida, de Elena Ferrante, lançado em Portugal, em 2016, pela editora Relógio d’Água. Assim, finalistas do Melhor Livro de Ficção Lusófona, são “Até que as Pedras se tornem mais leves de que água”, de António Lobo Antunes, “Hoje Estarás Comigo no Paraíso”, de Bruno Vieira Amaral, “O Pianista de Hotel”, de Rodrigo Guedes de Carvalho, “Sinal de Vida”, de José Rodrigues dos Santos, “Isabel de Aragão, Entre o Céu e o Inferno”, de Isabel Stilwell. Os finalistas para a Melhor Reedição de Obras Essenciais da Literatura Lusófona ou Universal são “Os Miseráveis I”, de Victor Hugo, “A Sibila”, de Agustina Bessa-Luís, “Meia-Noite ou o Princípio do Medo”, de Richard Zimler, “O Grande Gatsby”, de F. Scott Fitzgerald, “Oliver Twist”, de Charles Dickens. Os melhores livros de ficção de autores estrangeiros serão escolhidos entre “Escrito na Água”, de Paula Hawkins, “Uma Coluna de Fogo”, de Ken Follett, “Para lá do Inverno”, de Isabel Allende, “Homens sem Mulheres”, de Haruki Murakami, e “Origem”, de Dan Brown.

Promoções até ao dia dos namorados (em actualização)

O “Dia dos Namorados” é um dos momentos altos da época baixa do comércio. Começou naturalmente nos Estados Unidos e propagou-se ao mundo ocidental, eventualmente a todo o mundo, como forma de agitar o comércio entre a desaustinada época natalícia (e de Saldos) e a Primavera como forma de rentabilizar e animar os consumidores. Hotéis, restaurantes, lojas de perfumes e de produtos de luxo têm um pequeno boost neste período, bem como as livrarias.

A primeira a anunciar as promoções do Dia dos Namorados foi a Bertrand (link aqui). As suspeitas do costume estão lá (Sveva, Moyes, Allende, Kenyon; Roberts, Koomson e Picoult), como a nova leva dos romances jovem adulto e as velhinhas cartas e poemas de amor.

Os dez mais vendidos de 2017 na Fnac

O site da Fnac elencou os dez livros mais vendidos de 2017.

1. Origem, Dan Brown (Bertrand), editado em outubro
2. Chegar Novo a Velho, Manuel Pinto Coelho (Primebooks), editado já em novembro de 2015
3. Escrito na Água, Paula Hawkins (TopSeller), editado em maio
4. Astérix e a Transitálica, Goscinny, Uderzo, Jean-Yves Ferri e Didier Conrad (Asa), editado em outubro
5. O Caderno das Piadas Secas, Pedro Pinto, Gonçalo Castro e João Ramalhinho (Manuscrito), editado em julho
6. A Estranha Ordem das Coisas, António Damásio (Temas e Debates), editado em novembro
7. Sinal de Vida, José Rodrigues dos Santos (Gradiva), editado em outubro
8. A Viúva Negra, Daniel Silva (Harper Collins), editado em março
9. Wuant: O Início, Paulo Borges e Valente, editado em janeiro
10. Nada Menos Que Tudo, Afonso Noite-Luar (Manuscrito), editado em junho

Separados à nascença I

Reedição do livro de Gustavo Santos, A Dança da Vida, e primeira edição da versão portuguesa do livro de Marc Levy Ela e Ele usam a mesma foto na capa. Invertida mas a mesma. Com a particularidade de terem sido comercializados com três dias de diferença, um a 6 e outro a 9 de junho.